Saudade: Há quatro anos, Paracuru perdia Lúcio Damasceno, a sua mais completa tradução de escritor,

Parece que foi ontem, mas lá se vão quatro anos, mais precisamente no dia 20/08, que o Município de Paracuru perdeu uma de suas maiores expressões, o historiador, escritor, poeta, radialista e, principalmente, o mais apaixonado por sua terra dentre todos os que por aqui habitam, LÚCIO DAMASCENO.

Explicando melhor, Lúcio foi o mais completo estudioso da história da sua terra, havendo deixado escrito e publicado in memorian o tratado "Paracuru de Todos Nós" que em suas seiscentas páginas "revela as fontes da história, documentos e narrativas que traduzem a colonização de Paracuru...a formação política do município... serve de fonte de pesquisa e que, ao mesmo tempo, é uma prazerosa e reveladora leitura", como declara o Dr. José do Vale Pinheiro Feitosa na orelha do livro.

Como poeta, nos presenteou com o livro de poesias "Passos Perdidos" que desvela com especial candura a sua alma poética que se expressava muitas vezes nas madrugadas, instando-o a colocar em versos a sua visão do mundo e o seu incontido amor pelas pessoas e pela terra que lhe viu nascer e sobre a qual poetizou assim "Paracuru minha terra, minha vida em ti se encerra, adoro-te com devoção, amo-te desde criança, guardo todas as lembranças, dentro do meu coração".

Como radialista, Lúcio emprestou a sua cultura às emissoras de rádio de sua cidade, em especial à Rádio Mar Azul FM da qual foi um grande incentivador e colaborador como apresentador de programas, debatedor e comentarista ao longo de muitos anos, ali deixando lacuna impreenchível.

Na função pública, onde se comportou com inquestionável correção, priorizando o interesse público sobre qualquer outro, cumpriu com elevado denodo as missões de Secretário de Cultura, Secretário de Turismo, Cultura e Meio Ambiente, alem de Assessor de Comunicação.