Fósseis do Geopark Araripe são traficados livremente pela Internet

Os fósseis do Geopark Araripe, patrimônio natural da Unesco esquadrinhado entre nove municípios do Cariri cearense, estão à venda em sites de classificados e de lojas virtuais e físicas nos Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido e Espanha. Traficados do Brasil, da região da Chapada do Araripe, as “pedras” bichos pré-históricos são oferecidas para colecionadores ou instituições de pesquisa e museus.

Centenas de fósseis da “mundialmente famosa Formação Santana” , como anunciam o site eBay e o vendedor alemão Michael Baudendistel, entram e saem dos catálogos de venda ou leilões do material científico extraído, clandestinamente, daqui. Não faltam “produtos”. O POVO navegou pelas páginas da web, trocou e-mails com vendedores, entrevistou pesquisadores, manuseou processos e conversou sobre a venda criminosa com autoridades brasileiras.

Tráfico e comercialização, em rota que passa pelos Estados Unidos e Europa, parecem ser uma causa perdida para o Brasil. Álamo Saraiva, pesquisador e coordenador do Laboratório de Paleontologia da Universidade Regional do Cariri, afirma que nenhum fóssil do Geopark Araripe oferecido na web tem origem legal. “A procedência é criminosa, não existe aval ou documentação de instituição pública daqui que respalde a saída do território nacional”, explica.

Em conversa por e-mail, o vendedor alemão Michael Baudendistel, apontado pelo site eBay como responsável pela oferta de quatro fósseis de um Vinctifer sp., confirma que “os peixes são da Formação Santana. Meu tio trabalhou lá (na Chapada do Araripe) como geólogo e trouxe em 1970. Garanto a autenticidade”. Porém, revela: “Não tenho certificados”.

No site, fósseis são oferecidos por R$ 1.710,46 (veja infográfico). E apresentado como “um peixe que vivia desde o Jurassic, 160 milhões de anos antes do fim do Cretáceo. Eles tinham corpos semelhantes a torpedos, o que permitia uma perseguição relâmpago, muito semelhante à barracuda de hoje”.

Insisto com Michael Baudendistel. O eBay informa que o fóssil pode ser entregue no Brasil, com acréscimo de uma taxa de frete. Pergunto como irá enviar de Neckargemünd para Fortaleza sem que sejamos acusados de tráfico no Brasil. “Acho que não podemos fazer”, encerra a conversa e não responde outras três indagações.

Inglaterra

Do Reino Unido, da cidade de Bury, a loja Fine-fossils oferta um Enneles audax. “Fóssil de peixe. Foi descoberto na Formação Santana, no Ceará, no Nordeste do Brasil, datado do Cretáceo Inferior”. E que teria entre 92 a 108 milhões de anos. O preço em dólares é de “5.250,00 ou aproximadamente R$ 16.269,74”. Mas há um leilão e o lance inicial é de US$ 250.

O texto do anúncio informa ainda que o Enneles audax “também é descrito como Calamopleurus cylindricus e é um raro predador. Um peixe de tamanho médio a grande, com um bico arredondado e muitos dentes. Tinha grandes escamas triangulare. Somente um descendente deste peixe existe hoje

– a Amla calva”.

Sobre a Chapada do Araripe, os ingleses dizem que o lugar “produz uma excepcional e bem preservada e diversificada de fauna e flora. São conhecidas mais de 25 espécies de peixes, juntamente com pterossauros, répteis, anfíbios, insetos e plantas. Muitas partes foram preservadas durante a fossilização”.

Sem preocupação com o tráfico do material levado do Brasil, a empresa inglesa avisa que “no futuro será muito mais difícil oferecer esses fósseis espetaculares, pois há movimentos em marcha para tornar a formação (Santana), e seu registro fóssil, em uma área protegida”. E arremata: “Este é um fóssil supergrande, um item de exibição maravilhoso para a casa ou escritório, ou uma excelente adição para uma coleção”.