Lixo recolhido no carnaval de rua será transformado em lixeiras sustentáveis


Cinco prefeituras das maiores capitais brasileiras, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Salvador, se uniram à Associação Nacional de Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis (ANCAT) para que o lixo recolhido nas ruas tenham um destino mais ecológico e sustentável.

De acordo com a cervejaria Ambev, que patrocina o carnaval nestas cidades, todos os detritos reciclados serão transformados em lixeiras sustentáveis. Elas serão instaladas nas vias públicas após o Carnaval.

A expectativa é ao menos 2 mil lixeiras sejam produzidas, levando em conta a média dos resíduos gerados pelos 26 milhões de foliões que encherão as ruas das capitais ao longo deste mês.

Os maiores blocos de rua de cada cidade contarão com tendas de reciclagem visando reduzir a quantidade de lixo descartada incorretamente. As tendas terão apoio de 2,8 mil catadores e catadores cadastrados na ANCAT, que já atuam nas capitais rotineiramente.

“A ideia não é apenas cumprir as metas e compromissos de sustentabilidade traçadas pela empresa para os próximos anos, mas reverter isso em benefícios para as cidades, para que o compromisso ecológico não fique restrito apenas ao período de carnaval”, diz Rodrigo Figueiredo, vice-presidente de Sustentabilidade e Suprimentos da Cervejaria Ambev.

Além de reduzir o impacto ambiental do Carnaval, a iniciativa é vantajosa para os catadores cadastrados na associação, pois, ao invés de venderem o material reciclado para intermediários, ela será diretamente para a Ambev.

“Com a iniciativa, eliminamos em média três ou quatro intermediários, permitindo pagar um valor mais alto pelo trabalho desses catadores”, afirma Rodrigo Figueiredo.

“Remunerando esses trabalhadores melhor, a gente também tem incentivado que eles nos tragam outros materiais que, no mercado com intermediários, têm baixo valor e interessa pouco a eles durante a coleta”, comenta.

O Brasil é o líder mundial de reciclagem de latas de alumínio – 98% de tudo que é produzido, é reciclado, conforme levantamento da Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas).

No entanto, o índice de reciclagem de garrafas PET (plástico) ainda é baixo, girando em torno de 50%, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria do PET (Abipet).

“A Ambev tem um compromisso de acabar com a poluição de plásticos gerados pelos produtos da empresa até 2025. Produtos como o Guaraná Antártica já tem 60% dos embalagens recicladas, mas a gente precisa avançar mais e a ação do carnaval é uma dessas iniciativas”, comentou Rodrigo.

POR GABRIEL PIETRO