Porto do Pecém em São Gonçalo do Amarante recebe o maior cargueiro do mundo


Maior navio a atracar em um porto cearense na história, o MSC Shuba B chegou ao Porto do Pecém na manhã do dia 29 passado e permaneceu por cerca de 16 horas embarcando um carregamento de frutas exportadas para a Europa. A operação embarcou contêineres de melão, uva e manga.

Além de escoar as frutas produzidas no Ceará, o Porto do Pecém vem sendo a principal porta de saída para as frutas produzidas na região do Vale do Rio São Francisco, sobretudo uvas e mangas.

Em 2019, o porto cearense foi responsável por 38% das exportações dos produtores da região, enquanto o porto de Salvador escoou 31% e o de Natal, 21%, segundo dados da Associação dos Exportadores de Hortigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco (Valexport).

A expectativa para a safra desse ano é positiva e sinaliza um crescimento de pelo menos 30% em relação aos volumes alcançados em 2019.

“A chegada desse navio é motivo de orgulho para todo o time de profissionais do Porto do Pecém. Concluímos recentemente a obra do berço 10 para elevar nossa capacidade operacional e agora, pouco tempo depois, estamos ganhando a oportunidade de receber um gigante dos mares. Assim, vamos seguindo a orientação do governador Camilo Santana de transformar o Pecém no portão de entrada e saída de cargas para o Nordeste brasileiro”, enfatiza Danilo Serpa, presidente do Complexo do Pecém.

Cargueiros

Construído há três anos, o MSC Shuba B tem capacidade de transportar 11 mil TEU (medida para contêiner de 20 pés). Vindo de Salvador (BA), a embarcação segue rumo ao Porto de Roterdã, na Holanda.

Além das linhas que já ligavam o Porto do Pecém aos Estados Unidos e ao norte da Europa, em agosto do ano passado, o porto cearense começou a operar um nova linha ao continente europeu com direção a portos no Mediterrâneo, como Valência (9 dias de viagem) e Barcelona (11 dias), na Espanha, e Gênova (13 dias), na Itália.

Esse novo serviço, operado pela Mediterranean Shipping Company (MSC), permitiu a conexão dos contêineres de frutas a países do Oriente Médio, a partir de Valência.

“A MSC reforça o compromisso com o desenvolvimento da economia cearense. Estamos cientes da importância do produto brasileiro no mercado internacional. Por isso, pretendemos contribuir com a visibilidade e a promoção da fruticultura com um tempo de trânsito competitivo para os principais portos da Europa, proporcionando assim mais credibilidade e aceitação junto aos atuais e futuros mercados. Estamos orgulhosos e motivados por fazer parte da história do comércio exterior em nossa região”, afirma Daniel Soares, gerente da MSC Fortaleza.