Mirando Tóquio, Silvana Lima destaca ansiedade e importância de vacinação contra Covid-19


Surfista cearense tem vaga garantida nas Olimpíadas deste ano: "Era um sonho"

O surfe faz a estreia olímpica nos Jogos de Tóquio, marcados para julho e agosto deste ano. Uma das principais esperanças de medalhas está em Silvana Lima, cearense natural de Paracuru, no litoral oeste do Estado do Ceará. Ao lado de Tatiana Weston-Webb, a surfista vai representar as brasileiras nos mares do Japão. Cada vez mais perto do início das Olimpíadas, a atleta de 36 anos percebe a ansiedade ficar mais forte.

- Todos os surfistas, como as outras modalidades que entraram, não imaginariam que iriam estar nas Olimpíadas um dia. Eu não imaginaria isso. Era um sonho de todos, mas não imaginávamos que seria tão rápido. Isso foi um levante para o surfe e mostrar para todo mundo que é um esporte que merece o seu espaço. Para mim, foi um pouco difícil, porque quando o surfe entrou nas Olimpíadas, eu estava machucada, tinha acabado de fazer uma cirurgia nos joelhos. Foi muito difícil a minha volta, mas agradeço a todo mundo que me ajudou e não desistiu de mim. Meu foco maior era os Jogos - revela Silvana Lima, em entrevista ao podcast Elas no Esporte, do Sistema Verdes Mares. Além do surfe, estreiam em Tóquio 2020 beisebol, caratê, escalada e skate como modalidades olímpicas. Os desafios, porém, vêm ficando evidentes perto dos Jogos. Silvana Lima pontua que, por causa do agravamento da pandemia de Covid-19 no Brasil, ainda não houve nenhuma competição preparatória para as Olimpíadas. Para manter a forma e o ritmo, a surfista está se preparando sozinha. - Ainda não aconteceu nenhuma competição esse ano, a pandemia apertou um pouco mais. Estamos esperando a vacina, tem previsão só para abril de competições, fui para o Ceará para pegar temporada de onda sozinha mesmo. Eu pratico e filmo, coloco alguém para filmar, ver onde eu filmei e me aperfeiçoar. Aí tive que voltar para o Rio de Janeiro para treinar o físico, porque preciso de um personal. Os joelhos estão 100%, obedecendo certinho nas manobras - entrega a cearense.

De olho nas Olimpíadas, mas preocupada com os rumos da pandemia, Silvana Lima destaca que o Comitê Olímpico Internacional deve imunizar os atletas com vaga garantida em Tóquio. Apesar disso, a surfista crê que a vacinação contra a Covid-19 seja o único método eficaz de frear a doença o mais rápido possível.