Pécem e Eco Wave Power assinam Memorando de Entendimento para implantar Usina de Ondas


Com o objetivo de estabelecer parcerias estratégicas para o desenvolvimento socioeconômico, tecnológico e ambiental, o Complexo do Pecém e a empresa sueco-israelense Eco Wave Power firmaram Memorando de Entendimento (MoU) para a implantação, nas dependências do terminal portuário do Pecém, de uma usina de geração de energia limpa das ondas com capacidade instalada de até 9MW.

As ações a serem executadas em conexão com o MoU servirão como fase preparatória para a implementação do projeto e serão acompanhadas por uma equipe de projeto dedicada, composta por representantes de cada uma das partes.

Durante a fase preparatória, o objetivo das partes será concluir uma análise de pré-viabilidade do projeto na área do Complexo do Pecém, assim como finalizar o desenvolvimento preliminar da proposta do projeto. Além disso, este MoU e seus derivados servirão de preparação para o Contrato de Concessão a ser celebrado entre as partes, mediante resultados positivos da análise de pré-viabilidade. “Estamos extremamente entusiasmados em colaborar com o Porto de Pecém, que busca liderança e inovação na produção de energia limpa das ondas”, afirma Inna Braverman, fundadora e CEO da Eco Wave Power.

"A Eco Wave Power tem uma tecnologia simples e viável, que pode utilizar as estruturas marítimas existentes do porto para produzir eletricidade limpa a partir das ondas. Isso está totalmente alinhado com os objetivos do nosso porto em se tornar o primeiro terminal portuário do mundo a realizar um teste de energia oceânica em águas tropicais, esta é a nossa contribuição para a luta contra as mudanças climáticas”, enfatiza Danilo Serpa, presidente do Complexo do Pecém". De acordo com um estudo realizado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPE / UFRJ) em 2019, o Brasil tem um potencial de energia das ondas estimado em 91,8 GW, considerando os 7.491 km da costa brasileira. O estudo aponta que a conversão de apenas um quinto desse potencial seria suficiente para abastecer cerca de 35% da demanda de eletricidade do país. Outro estudo, da Universidade Federal do ABC, de 2020, calcula que somente a região Nordeste, onde está localizado o Porto do Pecém, teria um potencial de energia oceânica estimado em 22 GW. SOBRE A EWPG HOLDING AB A EWPG Holding AB (“Eco Wave Power”) é uma empresa líder em tecnologia de energia das ondas ons hore (em terra) que desenvolveu uma tecnologia patenteada, inteligente e econômica para transformar as ondas do mar em eletricidade. A missão da Eco Wave Power é ajudar na luta contra as mudanças climáticas, permitindo a produção de energia comercial a partir das ondas do mar e do oceano. EWP é reconhecida como uma empresa de “tecnologia pioneira” pelo Ministério de Energia de Israel e foi rotulada como uma “Solução Eficiente” pela Fundação Impulse Solar. O projeto da Eco Wave Power em Gibraltar, na Europa, recebeu financiamento do Fundo de Desenvolvimento Regional da União Europeia e do Horizonte 2020, o maior programa de investigação e inovação da União Europeia. A empresa também foi reconhecida pelas Nações Unidas ao receber o “Prêmio Ação Climática”.

SOBRE O COMPLEXO DO PECÉM

O Complexo do Pecém é uma joint venture e tem como acionistas o Governo do Ceará (70%) e o Porto de Roterdã (30%). Está localizado a cerca de sessenta quilômetros de Fortaleza, capital do estado do Ceará – localizado no nordeste do Brasil. O Complexo do Pecém é formado por uma Área Industrial, pelo Porto do Pecém e pela ZPE Ceará.

O Porto do Pecém é um terminal off shore de classe mundial, inaugurado em 2002. Portanto, um dos mais jovens terminais portuários do Brasil. Possui dois píeres e um terminal de múltiplas utilidades (TMUT) com um total de dez berços de atracação. Hoje o Porto do Pecém movimenta, principalmente, granéis sólidos, granéis líquidos, contêineres e cargas em geral, como placas de aço e componentes eólicos.

Além disso, o Porto do Pecém faz parte da rede Green Award, como fornecedor de incentivos, isto é, oferece descontos sobre a tarifa de utilização das instalações de acostagem para “navios sustentáveis”. Para estarem nessa categoria, essas embarcações devem comprovar bom desempenho ambiental em relação à emissão de poluentes atmosféricos e CO².